O NERVO CIÁTICO

Eu lia meus e-mails enquanto aguardava que todos os diretores entrassem na sala de reuniões para iniciar a reunião semanal da diretoria quando minha secretária ligou avisando que todos já haviam chegado.

Tentei me levantar da cadeira e uma dor intensa atingiu minha perna esquerda subindo até os rins. Esperei um pouco até ela diminuir e tentei novamente me levantar. Foi pior. A dor foi ainda mais intensa e fiquei travado na minha cadeira.
Nem com a ajuda de um dos diretores (o mais forte) eu consegui sair da cadeira.

Um fisioterapeuta que realizava um trabalho de apoio em uma de nossas unidades foi chamado e após fazer as perguntas habituais sobre minha idade, peso e atividades físicas, me fez a pergunta mais difícil que já me fizeram:

“Como você se senta”?

Tentei encontrar uma forma de explicar para ele como eu fazia algo tão simples, mas não consegui.

Ele então me disse:

“Para fazer algo simples como se sentar, você executa uma série de movimentos de forma automática e absolutamente inconsciente. Agora imagine que você faça um destes movimentos de modo não adequado. Você o repetirá várias vezes todos os dias, vários dias, meses, até que um dia uma parte do seu corpo estressará – e neste caso foi o seu nervo ciático. Como seu nervo ciático não tem como lhe pedir para parar com este movimento, a única alternativa que ela terá para que você pare o movimento será lhe causar dor”.

Agora imagine como você age com as pessoas ao seu redor quando algo não lhe agrada. Como você as olha, como gesticula, que tom de voz utiliza?

É tudo automático e inconsciente.

Mas um ou mais destes gestos, expressões, tom de voz podem causar incômodos, aborrecimentos, desmotivação, intranquilidade nas pessoas ao seu redor.

Por serem automáticos e inconscientes você os repetirá ao longo do tempo e estressará estas pessoas e a forma que elas encontrarão para tentar fazer você parar é “reclamar entre elas pelas suas costas”, criando um ambiente absolutamente oposto ao que potencializa performance e resultados.

E quando a dor se tornar mais intensa elas pedirão demissão … de você.

Para não ter mais problemas com o nervo ciático eu precisei identificar os movimentos inadequados que causavam o stress e reaprende-los para que não ocorressem mais os efeitos colaterais.

Foi fácil? Não! Meu corpo estava habituado a fazer aqueles movimentos há anos, tudo era automático, inconsciente.
É fácil mudar um comportamento que está aborrecendo e estressando alguns dos seus stakeholders?

É claro que não!

Mas desconhecer a existência de tais comportamentos não muda a situação de sofrimento deles.

A manutenção destes comportamentos o impedirá de ir mais longe em sua carreira.

A manutenção destes comportamentos o levará a ter uma equipe de menor desempenho. Os melhores, os mais talentosos, serão os primeiros a ir embora porque não precisam suportar o aborrecimento e o sofrimento que você causa neles. Ficarão os acomodados, os sem talento.

Você será o grande perdedor pois sua empresa não ficará cega aos efeitos provocados nos resultados.

Se você quer perder aquela barriga indesejável, obter um bom preparo físico, trocar gordura por músculos, você certamente sabe que isso não ocorrerá milagrosamente ou em um programa de 10 dias.

Você sabe que precisará mudar hábitos alimentares, fazer exercícios adequados e regulares, e que não poderá baixar a guarda durante um longo tempo, até que estes novos hábitos se tornem automáticos e inconscientes em você.

Um preparador físico fará uma enorme diferença ao lhe acompanhar neste percurso, orientando sua dieta, seus movimentos, motivando-o a seguir em frente. É por isso que a mudança comportamental exigirá o apoio de um experiente profissional, um conselheiro habituado a realizar este tipo de trabalho.

Mas será importante também o apoio das pessoas ao seu redor, os seus stakeholders, pois só eles conseguem indicar com precisão os comportamentos que você deve mudar e poderão apoiá-lo no processo de mudanças lhe dando feedback periódico a respeito dos seus progressos.

Todos podem mudar. Todos conseguem mudar. É preciso querer e ter disciplina para persistir com o programa de mudanças.

Ao final todos sairão ganhando: você, seus colegas de trabalho, sua família, sua empresa.

E o mundo ficará melhor!

wladimir.palermo@bestinclassgroup.net

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer participar da discussão?
Fique a vontade para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *