QUAL O SEU CARRASCO FAVORITO?

Wladimir R. Palermo

Há pessoas que se tornaram reféns do Ego. Enquanto elas não se conscientizarem de que essa escravidão as afasta do processo evolutivo, não conseguirão realizar qualquer mudança em seus comportamentos. A elas basta a imagem que formaram delas mesmas. Maior que eu, somente minha modéstia!

Há pessoas que se tornaram reféns dos Resultados que obtiveram. Elas acreditam que possuem a fórmula para o sucesso e isso funciona como no caso do refenato em relação ao Ego, mas com o agravamento decorrente da cegueira e da surdez em relação à realidade. No limite acreditam que elas são a razão do sucesso. My way, or no way!

Há pessoas que se tornaram reféns do Medo de Errar, escaldadas por acontecimentos negativos do passado. Elas passaram a adotar comportamentos que as protegem contra os riscos de voltarem a passar pelo que passaram. Veem o risco e não enxergam a oportunidade, veem o copo meio vazio e não meio cheio, tornando-se negativas e enfadonhas. É impossível que não tenha algo errado…

Há pessoas que se tornaram reféns de Relacionamentos. Criaram laços tão profundos com as pessoas que as cercam que se sentem impotentes para dizer para essas pessoas que não concordam com suas ações, mesmo com as evidências de que tais ações não são positivas para os resultados da equipe e da empresa. Não posso prejudicar esta pessoa…

Algumas pessoas apresentam um perfil marcado por uma dependência muito forte de um destes “algozes”: Ego, Resultado, Risco, Relacionamento. Outras apresentam uma mistura de dois ou três deles. Poucas se apresentam sem alguma dependência.

Estes “algozes” aparecem como consequência do uso desequilibrado das forças interiores que possuímos. O uso equilibrado faz essas forças serem nossas aliadas. O uso desequilibrado as tornam nossos carrascos.

O sucesso sustentável, tanto pessoal quanto profissional, depende da precisa identificação e da correção de tais desequilíbrios.

wladimir@bestinclassgroup.com

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer participar da discussão?
Fique a vontade para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.