CULTURA DE ALTA CONFIANÇA

Paul J. Zak

Toda organização cria a sua própria cultura com seus tabus, usos e costumes. Reflete as normas e valores reinantes, o tipo de pessoas que atrai, sua forma de comunicação, sua abertura ou não a mudanças e a maneira como exerce a autoridade. Assim como a sociedade tem uma herança cultural, as organizações possuem padrões característicos, sentimentos e crenças que são transmitidos aos novos membros através do tempo.

Uma cultura centrada no ser humano e em alta confiança é uma necessidade absoluta para manter a vantagem competitiva de uma empresa.

A confiança melhora profundamente o desempenho organizacional, fornecendo a base para o trabalho em equipe e a motivação intrínseca.

A confiança capacita os colegas a cumprirem os objetivos da melhor maneira possível, ao mesmo tempo em que os compromete totalmente com os objetivos da organização.

Aqueles que trabalham em organizações com cultura de alta confiança não só apresentam melhor desempenho no trabalho, eles estão mais satisfeitos com suas vidas fora do trabalho, sendo melhores pais, cônjuges e cidadãos.

O efeito da confiança na qualidade de vida é considerável.

Funcionários de organizações de alta confiança são substancialmente mais produtivos, têm mais energia no trabalho, permanecem com seus empregadores mais tempo, recomendam seus locais de trabalho para familiares e amigos e são significativamente mais inovadores.

Aqueles que trabalham em organizações com cultura de alta confiança também colaboram mais efetivamente com colegas de trabalho, sofrem menos estresse crônico e são mais saudáveis ​​e mais felizes do que os trabalhadores que trabalham em empresas com cultura de baixa confiança.

A confiança atua como um lubrificante, reduzindo as fricções inerentes à atividade econômica.

Já o stress atua como um inibidor pois sob stress você deixa de ser o melhor de você mesmo.

Peter Drucker escreveu: “Seu primeiro e mais importante trabalho como líder é utilizar a sua energia própria e ajudar a orquestrar a energia de todos ao seu redor”.

 

Paul J. Zak é neurocientista e autor da OFACTOR, uma pesquisa de confiança organizacional baseada em mais de 13 anos de estudos por ele coordenados. BEST IN CLASS e OFACTOR passaram a atuar juntas no Brasil a partir de maio de 2017.

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer participar da discussão?
Fique a vontade para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.